#ENTREVISTA Tania Nardini

12/4/2018

 

Conversamos com a diretora e coreógrafa Tania Nardini, que já dirigiu os espetáculos "Priscilla - A Rainha do Deserto" e "Nuvem de Lágrimas, O Musical" no Brasil, além de ser coreógrafa e diretora associada nos espetáculos: "West Side Story" e "O Rei e Eu", coreógrafa em "Raia 30", e "Cauby! Cauby! Uma Lembrança" e é também a diretora responsável por todas as montagens do espetáculo "Chicago" em qualquer parte do mundo, desde 2007.

 

Backstage Musical: Tania, primeiro gostaríamos de dizer que somos grandes fãs do seu trabalho e achamos incrível uma diretora brasileira ter como responsabilidade um musical tão aclamado e dirigi-lo em tantos países pelo mundo!

Tania: Muitíssimo obrigada!!!


Backstage Musical: Como isso aconteceu? Como você hoje é diretora desta tour que roda o mundo?

Tania: Em 2004, quando o Chicago foi montado no Brasil, eu fui a diretora residente, em 2007, o Scott Faris que foi o diretor no Brasil, me ligou perguntando se eu podia dirigir a montagem na Korea porque ele so poderia chegar para os ensaios técnicos. Fiquei muito honrada, mas já tinham se passado 3 anos e eu precisava relembrar; o escritório de NY então me mandou uma passagem para lá onde me reuni com o Scott e assisti ao espetáculo 2 vezes. 2 meses depois estava embarcando para o outro lado do mundo, morrendo de medo, para encontrar com o coreógrafo associado americano (Gary Chryst) e o supervisor musical americano (Steven Freeman) e começarmos a nova producao de Chicago, em coreano. O Scott foi nos encontrar 5 semanas depois para os ensaios técnicos. E a partir daí começou a minha nova aventura: Diretora Associada Internacional de Chicago, O Musical. Não é bem uma tour; cada montagem é uma nova produção que começa do zero, na língua local, com elenco e equipe de cada país.  

 

Backstage Musical: Há alguma diferença entre dirigir um musical aqui e dirigir um musical lá fora?

Tania: Não, o trabalho é o mesmo em qualquer lugar. Escolher o elenco certo; construir um coletivo forte e disponível; contar a estoria!

 

Backstage Musical: O que você trouxe de novidade para essa produção de Chicago?

Tania: Chicago é sempre novo, é um espetáculo que depende dos atores; acho que o que eu trago de diferente é minha paixão pelo “contar da estoria”, pelo trabalho do ator.

 

 

 

Backstage Musical: Como está sendo levar Chicago de volta ao West End em Londres, com o grande ator Cuba Gooding Jr, no elenco?

Tania: É incrível! Chicago esteve no West End por 15 anos, há 5 saiu de cartaz e não havia previsão de volta, de repente aqui estamos nós. E eu, uma diretora brasileira, dirigindo um elenco inglês, com atores como Ruthie Henshall, Sarah Soetart, Josephina Gabriella, Paul Rider; todos mega conhecidos e premiados não só no meio do teatro musical, mas no teatro inglês, além de um ensemble de primeiríssima linha e somado a tudo isso ainda ter uma ator que tem um Oscar e outros prêmios como Cuba Gooding Jr... aí é quase inacreditável. É uma grande oportunidade e uma enorme responsabilidade. Já nas audições, tínhamos que ter certeza de escolher o elenco certo para este retorno e assim foi. Um elenco completamente parceiro, disponível, focado, respeitoso e super talentoso, e muito disso é reflexo do que o Cuba traz para o processo. Ele é este tipo de ator, comprometido, dedicado, entregue, afetuoso e feliz!!

 

Backstage Musical: Como é a responsabilidade de dirigir em Londres um musical tão familiar para esse público?

Tania: É de fato uma responsabilidade enorme. Um espetáculo tão conhecido e tão adorado, mas as previews foram ótimas e o publico tem respondido muito bem!

 

Backstage Musical: Você gostaria de ver uma temporada de Chicago no Brasil novamente?

Tania: Certamente. Já está mais do que na hora de termos uma nova montagem de Chicago, o Musical, no Brasil.

 

Backstage Musical: Qual a sua visão do mercado de Teatro Musical no Brasil hoje?

Tania: Não me sinto capaz de falar sobre o mercado. O que posso dizer é vejo que cada vez mais artistas e técnicos estão se aprimorando para este mercado, o que é muito bom e já muito diferente do que acontecia há 10 anos atrás, mas me preocupa saber que alguns acreditam que fazer um musical vai transforma-los em celebridade e colocam isso como foco principal, deixando a obra em si em segundo/terceiro plano; deixando de viver o “cada momento” de um processo de criação. Que engano, teatro musical é teatro, é processo, é entrega, é desafio. É trabalho, árduo!   

 

Para conhecer mais o trabalho da Tania, siga ela no instagram @tania_nardini onde ela mostra um pouquinho do dia a dia dela e de Chicago pelo mundo! 

 

 

 

Please reload