Dez longos anos: O Fantasma da Ópera

15/9/2015

 

Não é novidade que The Phantom of The Opera é o musical a mais tempo em cartaz na Broadway, sendo um sucesso absoluto no mundo todo, inclusive no Brasil. O espetáculo que veio para São Paulo, em abril de 2005 está completando 10 anos de sua estréia agora em 2015, e é claro que o Backstage Musical não poderia deixar passar batido.

 

O musical, composto pelo gênio Andrew Lloyd Webber (responsável também pelos musicais "Evita", "Jesus Christ Superstar", "Cats", entre muitos outros), foi inspirado no livro homônimo de Gaston Leroux, e conta um romance entre uma cantora de ópera, Christine, e uma figura mascarada que ela a chama de Anjo da Música.

 

Na Broadway/ West End

 

A primeira montagem do espetáculo foi em 1986, na West End, Londres, produzida por Cameron Mackintosh, teve no elenco Michael Crawford no papel de Fantasma, Steve Baron interpretando Raoul e Sarah Brightman como Christine, papel composto especialmente para a voz da atriz, que na época era casada com Andrew Lloyd Webber.

 

Na Broadway, sua estréia foi em janeiro de 1998, repetindo o mesmo trio de protagonistas de Londres. Entre essas duas produções já se passaram alguns dos grandes nomes do teatro musical como Sierra Boggess, Ramin Karimloo, John Owen-Jones, Gina Beck, Samantha Hill, Killian Donnelly, Hadley Fraser, Michael Ball e mais recentemente Norm Lewis, que fez história sendo o primeiro Fantasma negro da Broadway.

Os números que o show coleciona são impressionantes. Considerado o espetáculo musical mais bem sucedido, Phantom já foi assistido por mais de 140 milhões de pessoas por todo o mundo. Após mais de 27 anos de sua estréia, é o espetáculo a mais tempo em cartaz na Broadway, atingindo esse recorde em janeiro de 2006, passando Cats, com 7486 performances (atualmente passa das 11.000 apresentações). 

 

Pelo Mundo

 

Apresentado em mais de 145 cidades de 27 países, o espetáculo é um fenômeno mundial. A produção mais conhecida é a de Mackintosh, que ainda se mantém viva na Broadway, em Londres e na grande maioria das produções por todo o planeta. Apesar disso, algumas montagens se destacam por terem suas características próprias, tanto as inspiradas na original, quanto as completamente novas.

 

Uma das produções mais celebradas do Fantasma é a de Las Vegas, onde o teatro em que abrigava o musical foi todo reformado para receber o espetáculo, desde a entrada, onde os espectadores eram recebidos em um hall com um belíssimo mosaico do logo no chão.

Sem perder as características da produção original, pequenos detalhes foram modificados criando efeitos que enchem os olhos do público, como é o exemplo do lustre, que ao invés de ser uma peça única, é dividido em quatro partes que flutuam sobre a cabeça da platéia durante a Overture. Para quem tiver mais interesse nesta produção, uma de nossas Christines brasileiras, Kiara Sasso, foi conferir o espetáculo e contou todos os detalhes em um post de seu blog.


Outra produção que também se destacou foi o tour de 2012 no Reino Unido, também produzida por Mackintosh, mas toda reformada, com figurinos e cenários semelhantes aos das montagens anteriores, mas com uma nova estrutura e cores ainda mais vibrantes. O elenco contava com Katie Hall como Christine e e John Owen-Jones como fantasma.

Atualmente o espetáculo está em cartaz em diversas cidades pelo mundo, entre elas Hamburg, na Alemanha, Moscow, na Rússia, Budapeste, na Hungria, mas a que mais chama a atenção é a da Finlândia. Com uma Christine que exibe lindos cachos loiros, o espetáculo possui uma cara totalmente nova, com cenários que, sem perder a grandiosidade do show, apresentam um visual modernizado.

 

O Filme

 

O primeiro projeto de transformar o espetáculo em um filme ocorreu em 1989, quando a Warner Bros comprou os direitos do musical. Nessa primeira concepção, o filme seria estrelado por Sarah Brightman e Michael Crawford. Foram filmados alguns clipes para a divulgação do projeto, em que é possível ter uma ideia de como seria executado.

Após algumas dificuldades, o filme começou a ser produzido em 2002, com os direitos pertencendo ao próprio Andrew Lloyd Webber, que planejava uma produção independente. Com um orçamento total de 154 miliões de dolares (se tornando o filme mais caro até então), o compositor investiu apenas 6 milhões.

 

A direção ficou por conta de Joel Schumacher, que reconstruiu o Opera House de Paris, e deu tom romântico e ao mesmo tempo sexual para espetáculo. Para o elenco, foram escolhidos atores novos, que dessem credibilidade para os personagens e passassem a ingenuidade necessária, Emmy Rossum, com apenas 16 anos, foi responsável por encarnar Christine. A responsabilidade de interpretar o Fantasma ficou nas mãos de Gerard Butler, e Patrick Wilson ficou encarregado do Raoul.

 

Em 2011 foi lançado em DVD uma performance do espetáculo em comemoração aos 25 anos do musical, que ocorreu no Royal Albert Hall, em Londres, com um dos elencos mais celebrados do espetáculo: Sierra Boggess como Christine, Ramin Karimloo como Fantasma e Hadley Fraser no papel de Raoul.

 

A Sequência

 

Em 2010 estreou em Londres o musical "Love Never Dies", também de Andrew Lloyd Webber, baseado no livro "The Phantom of Manhattan", de Frederick Forsyth, que sequencia o primeiro musical. Situado nos Estados Unidos, 10 anos após o primeiro espetáculo, Christine reencontra o Fantasma, ela, casada com Raoul e com um filho chamado Gustave. Ele, dono de uma casa de espetáculos, onde conta com a ajuda de Madame Giry para manter o local, e tem como principal estrela Meg Giry.

 

Com direção de Jack O'Brien, a produção londrina teve no elenco Sierra Boggess no papel de Christine, Ramin Karimloo como Fantasma e Joseph Millson fazendo Raoul. O espetáculo foi logo detonado pela crítica, e dividiu os fãs da história original, com algumas músicas belissímas mas um texto que fazia o resto se perder. Ainda em processo de construção, essa montagem apresentava cenas, músicas que foram cortadas em produções seguintes.

Em 2011, "Love Never Dies" estrou nos palcos australianos, com direção de Simon Phillips, primeiramente na cidade de Melbourne, onde foi todo reestruturado, com cenários, figurinos totalmente novos, servindo de base para as produções que viriam nos anos seguintes, em 2014 no Japão e em 2015 na Alemanha.

 

Além de ser exportada para outros países,a montagem australiana, que levava nos papéis principais Anna O'Byrne e Ben Lewis nos papéis principais ganhou uma versão filmada, a qual foi lançada em DVD por todo o mundo. As gravações ocorreram em fevereiro de 2012, onde, mesmo sendo filmado no palco, ganhou um novo olhar da peça, com câmeras que passeiam entre os atores mostrando detalhes do espetáculo.

 

No Brasil

 

Após o sucesso do filme, foi a vez do Brasil receber esse aclamado musical, com estréia no dia 21 de abril de 2005, no Teatro Abril (atual Renault), e ficando em cartaz até 2007, completando agora 10 anos de sua chegada nos palcos paulistanos.

 

Grande parte do elenco participa de musicais até hoje, formando a considerada "elite" do teatro musical brasileiro. É o caso de Saulo Vasconcelos, que após fazer o Fantasma não saiu mais de cena, fez "A noviça Rebelde", "Cats", "Mamma Mia", "A Madrinha Embriagada", "Priscilla, A Rainha do Deserto", entre tantos outros. Porém são poucos os que se dedicam exclusivamente a arte de atuar, em um elenco grande como aquele, facilmente encontramos atores que se dedicam a varias áreas.

 

Se engana quem acredita que o talento de Jana Amorin se limita apenas aos palcos. A atriz, que foi cover de Meg, não deixou sua carreira no teatro musical, participou das montagens brasileiras de "Hair", "A Madrinha Embriagada", "Homem de La Mancha", e atualmente brilha em "Antes Tarde do Que Nunca" como a bailarina Elieen. Junto a isso, Jana ainda consegue arrumar tempo para se arriscar um pouco na área de exatas: a atriz cursa uma faculdade de arquitetura.

  Jana Amorin como Meg.

 

Talvez você nunca tenha ouvido falar de Myrthes Monteiro, mas caso você goste um pouco do teatro musical alemão com certeza sabe quem é. Após participar das produções brasileiras de "Phantom", "My Fair Lady", como ensemble, a atriz tomou outro rumo, foi para a Europa estrelar grandes sucessos na Alemanha, foi Sarah em "Tanz der Vampire", Maria em "West Side Story", Camen em "Fame", Serena em "Legally Blonde", entre tantos outros personagens. Atualmente está em cartaz como Jasmine no musical Aladdin.
 

Legenda: Na sequência, Myrthes em West Side Story, Flashdance, Fame e tanz der Vampire.

 

Bastidores da produção brasileira de Fantasma.

 

Outro nome que anda sumido dos palcos brasileiros é Nando Pradho. Não se limitando apenas ao teatro, Nando se dedicou a uma carreira solo após protagonizar o musical "Jekyll e Hyde", e não parou por ai, migrou para a televisão, atualmente inteagra o elenco da novela "Cúmplices de Um Resgate". E como isso não bastasse, o ator também se dedica parte de seu tempo nas artes plásticas.

Nando em Cúmplices de um Resgate.

 

Bianca Tadini exibe seu talento com as palavras, em parceria com Luciano Andrey, Bianca vem adaptando para o português grandes espetáculos da Broadway, como foi o caso de "Jesus Cristo Superstar" e "Mudança de Hábito", que lhe rendeu por dois anos consecutivos indicações de melhor versão brasileira no prêmio Bibi Ferreira. 
 

 Bianca Tadini como Christine.

 

Após protagonizar diversas produções brasileiras, como "A Bela e a Fera", "Jekyll e Hyde" e "Mamma Mia", Kiara Sasso se arrisca em uma nova área dentro do teatro musical. Junto com Lázaro Menezes, está produzindo o musical inédito "O Palhaço e a Bailarina", um espetáculo infantil que promete encantar o público de todas as idades.
 

 Foto promocional de O Palhaço e A Bailarina.

 

A notícia divulgada mais recentemente em relação ao elenco foi que Sara Sarres, voltará a interpretar a personagem Christine na China, no tour mundial do musical, que ocorrerá entre setembro deste ano e janeiro do ano que vem. Escolhida a dedo pela produção de Londres e Nova York, Após o encerramento de "O Homem de La Mancha", Sara passou um período nos Estados Unidos para aprimorar suas técnicas vocais e atuação.

 Sara Sarres na montagem brasileira de O Fantasma da Ópera.

 

E para falar um pouco mais dos 10 anos desse marco do teatro musical brasileiro, nos entrevistamos atores que participaram dessa montagem e eles contaram aos detalhes como foi a experiência, vejam:

 

 

Please reload