top of page
LOGO_Backstage_Musical_NOVO2020_Crachá.

033 Rooftop se transforma no KitKatClub



Um dos maiores clássicos da Broadway, ‘Cabaret’, está em cartaz, na sua terceira montagem brasileira. Dessa vez, com uma proposta completamente nova, imersiva, no 033 Rooftop, trazendo uma atmosfera mais íntima para esse ambiente de cabaré decadente, mas onde a vida é linda!


Numa Alemanha pré-nazista, musical narra a história de Cliff, um escritor americano que vai para Berlim em busca de inspiração para seu novo livro. Nesse mundo extremamente efervescente, ele conhece Sally Bowles, uma cantora de cabaré. Juntos, eles devem procurar um rumo para suas vidas, encanto um emergente sinal de alerta se espalha pelo país.


O olhar de Kleber Montanheiro, o diretor do espetáculo, sobre ‘Cabaret’ é um acontecimento. A forma em que ele mescla o luxuoso com o grotesco, misturando o contemporâneo, mas deixando extremamente claro visualmente o momento histórico em que o espetáculo de passa, trazendo novos elementos do cabaré alemão, torna essa montagem muito rica.


Para quem conhece o espetáculo de outras montagens mais atuais pode esperar algo um pouquinho diferente. Isso porque a versão do texto utilizada é a de 1967, quando ‘Mein Herr’ e ‘Maybe This Time’ ainda não faziam parte do espetáculo, mas em compensação, ganha outros números raramente vistos e muito divertidos. O protagonismo sai um pouco de Sally, e acaba caindo no casal formado por Fraulein Schneider e Herr Schultz.


André Torquato é o principal destaque do elenco, seu Emcee é misterioso e magnético, deixa sempre querendo mais. Sua performance de ‘Money’, mesclado com ‘Sitting Pretty’ (música cortada nas versões mais recentes de Cabaret), é o momento mais fenomenal do espetáculo, e sua performance de ‘I Don’t Care Very Much’ é lindíssima.

Ícaro Silva, que interpreta o escritor americano, Cliff, traz um charme e carisma para um personagem que normalmente fica apagado em outras montagens, e dessa vez ganha o solo ‘Don’t Go’, um momento super emocionante para personagem.

Já o ponto alto de Fabi Bang é a performance da música ‘Cabaret’, onde finalmente ela encontra o peso dramático da personagem.



É necessário destacar também a performance magnífica de Anna Toledo como Fraulein Schneider, protagonista da trama que traz mais em foco o teor sociopolítico do espetáculo. Sua performance adorável faz com que a personagem acabe ganhando o carinho do público e tornando ainda mais doloroso o desfecho do espetáculo. E acompanhada da proximidade com a ação trazida pelo formato imersivo, acaba sendo fundamental para o espetáculo se tornar ainda mais impactante.


‘Cabaret’ é sem duvidas o espetáculo certo para quer ver algo de qualidade altíssima, tanto em relação ao material original, quanto se tratando da montagem brasileira. Para rir, chorar, esquecer por umas horinhas dos problemas do mundo lá fora, mas sair refletindo.

Comments


bottom of page