Entrevista com Zé Henrique de Paula

28/2/2019

 


O premiado musical "Lembro Todo Dia de Você", escrito por Fernanda Maia e Rafa Miranda, que trata de forma realista e contemporânea sobre o HIV, volta em cartaz no Teatro do Núcleo Experimental, entre os dias 8 e 24 de março. Conversamos com o diretor, Zé Henrique de Paula para saber mais sobre esse espetáculo tão importante e necessário e sobre o que podemos esperar desta nova temporada!

 

1- Como surgiu a ideia do texto e a concepção do musical "Lembro Todo Dia de Você?" 

 Depois do sucesso de Urinal, eu e a Fernanda Maia sempre quisemos trabalhar juntos num musical original. Coincidentemente, o Rafa Miranda tinha começado a esboçar a ideia de contar a história dele através do teatro. A ideia ficou em banho-maria durante um tempo e, graças ao Fomento ao Teatro para Cidade de São Paulo, pudemos nos dedicar à dramaturgia e às músicas da peça, ao longo do ano de 2016. Eu colaborei mais com a estrutura narrativa, enquanto a Fernanda e o Rafa compuseram as músicas da peça.

 

2- Como é falar sobre o HIV em forma de musical e o que faz a temática do espetáculo ser relevante hoje em dia? Como é a aceitação do público?

A aceitação é excelente!!! As pessoas riem, choram, se identificam, voltam várias vezes - enfim, uma catarse! O que prova que essa temática precisa e merece ser tratada no teatro e nas outras artes. Sabemos por dados concretos que o número de jovens entre 15 e 24 anos que contraem o HIV tem aumentado nos últimos anos. Nosso principal objetivo é artístico, mas também levamos informação às pessoas - e informação relevante. O fato de ser um musical aciona o lado emocional do espectador e isso, na melhor das hipóteses, aumenta a capacidade de empatia: pelos homossexuais, pelos pais de homossexuais, pelos soropositivos, pelos casais sorodiscordantes. Empatia é a chave para combatermos o estigma.

 

   Foto: Giovana Cirne 

 

3- O que podemos esperar desta nova temporada do Lembro Todo Dia de Você?

As principais novidades são a entrada de dois novos atores: Carol Bezerra substituindo Anna Toledo como Mãe/Médica e Thiago Perticarrari me substituindo como Padrasto/Homem de Barba. Além disso, estamos desde o ano passado gravando a trilha em estúdio, então junto da temporada iremos lançar o CD com as músicas originais, gravadas pelo elenco original.

 

4- O Núcleo Experimental é uma referencia em teatro, como vocês se mantém sempre em nível de excelência em seus espetáculos, com temática super relevantes e de forma leve e emocionante?

No Núcleo, costumamos dizer que os assuntos que nos interessam são aqueles que nos dão raiva. Por isso, temos falado de intolerância, preconceito, desigualdade e abuso de poder. Quando escolhemos um tema e uma peça, nos apaixonamos. E essa paixão, acredito, é a força motriz de muito trabalho, pesquisa, dedicação e foco. Além disso, sempre tentamos nos colocar no lugar do espectador de teatro. O que ele acharia? O que o motivaria? O que o transformaria? Fazemos teatro para e com o público - essa troca é vital e pensamos com muito carinho nela, o tempo todo. Obviamente, de nada adiantaria tudo isso sem os profissionais do Núcleo e os nossos colaboradores: atores, músicos, criativos, produtores, técnicos. Nos cercamos de gente competente e apaixonada como nós e aí a equação vai ficando cada vez mais completa!

 

5- De onde vem suas referências, o que você assiste, o que você estuda para trazer espetáculos como esse para os palcos?

Eu leio de tudo, começo meu dia lendo quase todos os jornais e principais sites de notícias. Gosto de viajar e assistir um pouco de teatro fora do Brasil, para ver o que se faz em outros cantos do mundo. Aqui no Brasil, há muita gente fazendo bom teatro e eu faço questão de acompanhar: Galpão, Cia dos Atores, Tapa, Parlapatões e Hiato, pra ficar só em alguns. Também sou um diretor obcecado em estudar dramaturgia e sua técnica. Leio tudo sobre o assunto, porque sou um apaixonado pelo texto e os pilares que o mantém em pé. Já disseram que o Núcleo é textocêntrico e achamos que foi um baita elogio!!!

 

6- Muitos atores da nova geração sonham em ser dirigidos por você. Qual o seu conselho para que eles alcancem este sonho?

Fico muito lisonjeado que esse seja justamente o sonho de muitos atores jovens. O meu único conselho - aliás para qualquer ator - é estudar, estudar e estudar! Sempre!!!

 

Serviço: 

Lembro Todo Dia de Você

Teatro do Núcleo Experimental – Rua Barra Funda, 637, Barra Funda

De 8 a 24 de março

Às sextas-feiras e aos sábados, às 21h; e aos domingos, às 19h.

Ingressos: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia-entrada)

Classificação: 16 anos

Capacidade: 65 lugares

Duração: 120 minutos

 

 

 

 

Please reload