#Entrevista Vitor Rocha

1/6/2018

 

Vitor Rocha é mineiro da cidade de Jacutinga, é ator, autor e compositor. Desde criança escrever poesia e contar histórias sempre estiveram presentes em sua vida... quem vivia perto dele sabia que não era só coisa de criança.  Talentoso e perseverante, Vitor com apenas 20 anos, já tem livro publicado, peça autoral apresentada e um currículo de dar inveja a muita "gente grande". 

 

Backstage Musical: Vitor, conta pra gente um pouco da sua história.

Vitor: É bem difícil pra mim contar um pouco da minha história porque eu falo demais, ok? Rs. (Sério, eu já digitei e apaguei umas dez vezes essa resposta na tentativa de não escrever minha biografia na entrevista e também não só copiar e colar o meu currículo.) Mas vou tentar sintetizar as coisas, prometo!

Bom, eu nasci e fui criado no interior Minas Gerais, onde comecei meu caminho na arte ainda na escola aos 8 anos. Lá eu sempre me envolvi em vários tipos de projetos e eventos culturais, sempre fiz parte de grupos de teatro e sempre fui incentivado a pesquisar e aprender coisas novas. Aos treze anos me matriculei em um curso técnico de teatro em Campinas (SP) e passei a viajar todos os sábados para estudar. Me formei ator em 2015, depois de atuar, dirigir e escrever diversos espetáculos em Campinas e em Minas também, e antes de me formar no ensino médio, rs. Quando eu fiz 18 anos me mudei para São Paulo para estudar (mais um pouco) de teatro e também cinema, dublagem e canto, mas nunca parei de escrever e dar aulas de teatro para crianças. Em 2017 publiquei independentemente meu segundo livro de poesias “Casusbelli” através de um projeto social de crowdfunding, e esse é talvez o maior motivo pelo qual algumas pessoas me conhecem hoje.
No dia 29 de Abril de 2018 realizei o sonho de estrear um espetáculo como autor e ator aqui na grande e distante São Paulo com “Cargas D’Àgua - Um Musical de Bolso” e desde lá até agora a vida têm sido muito boa comigo, me presenteando com coisas incríveis que certamente vou poder contar numa próxima vez que me perguntarem sobre a minha história.

 

Backstage Musical: Além de ator, sabemos que você também é escritor, compositor e ainda canta. O que você mais gosta no mercado do teatro musical.

Vitor: No mercado do teatro musical o que eu mais amo (de paixão) é a possibilidade de podermos juntar tantas formas de expressão em favor de uma história, e na vida o que eu mais amo é contar histórias. Então acho difícil dizer se o que eu mais gosto é escrever, atuar, compor ou cantar… O que eu mais gosto é contar!

 

Backstage Musical: O que te motiva? O que faz você querer escrever livros e peças?

Vitor: Essa é uma pergunta muito complexa, gente! São muitas as razões que me fazem querer fazer o que eu faço com tanto amor e força de vontade. E sabe, mesmo sendo um escritor eu acho que algumas coisas jamais vão caber em palavras, por isso não vou conseguir colocar aqui todos os meus motivos de declarar guerra à vida todos os dias quando acordo, simplesmente porque é uma coisa quase inexplicável que me move, mas vou tentar falar alguma coisa que responda a pergunta, ok? Para isso eu osso apelar para um clichê quase tão óbvio quanto a paz mundial para as misses? Rs

O que me motiva é a vontade de mudar o mundo e o que me possibilita tentar fazer isso é a noção de que o mundo é feito pelas pessoas a minha volta e por mim também. Você já parou pra pensar no quão responsável você é pelo que cada pessoa a sua volta se torna? Pois é, é essa a pergunta que eu costumo me fazer quando me pego tentando buscar sentido para fazer as coisas que faço.

 

Backstage Musical: Você atualmente está em cartaz com o musical Cargas D'Água, que foi você quem escreveu, dirigiu e compôs as músicas... Qual foi o maior desafio pra você nessa peça?

Vitor: Eu acho complicadíssimo a gente dar tamanho para as coisas! Por exemplo, uma pedra no nosso caminho é uma pedra que a gente chama de “pequena” e pula ou chuta pra bem longe pra poder seguir, enquanto uma montanha é uma pedra que a gente chama de “gigante” e acaba transformando em obstáculo no meio desse caminho. Mas as duas coisas não passam de pedras.
Foram vários desafios e sempre serão. Eu tentei dar a mesma importância para todos eles desde a jornada tripla de autor, diretor e ator até a acertar minhas linhas nas músicas (isso é dificílimo pra mim! rs) por isso não consigo falar um desafio maior. Mas posso contar um novo: fazer musical com instrumentais gravadas em estúdio, mas cantando ao vivo.

 

Backstage Musical: Cargas D'Água é a sua primeira peça/musical aqui em São Paulo? Vimos o Estadão e o Globo Teatro que são grandes veículos culturais já noticiaram sobre o musical, como foi isso pra você? Conseguir trazer o seu musical independente a grandes veículos e ainda ganhar um espaço na Virada cultural de São Paulo.

Vitor: Na verdade o “Cargas” é o segundo espetáculo que apresento aqui em São Paulo como ator e autor, mas é o primeiro contando como profissional e tudo é novo e incrível! Eu sempre acreditei que o único jeito de fazermos história era contando histórias e, de certa forma, estou conseguindo ver isso na prática desde o início da nossa temporada. Fico muito feliz com cada notinha nos sites especializados em teatro musical e, claro, admito que o reconhecimento dos grandes veículos é de marejar os olhos. Mas a alegria de ver nossos ingressos esgotados em pouquíssimo tempo na Virada Cultural e a alegria de prorrogar uma temporada depois de uma campanha virtual do nosso público… Isso é inexplicável!

 

Backstage Musical: Sabemos que você gosta de criar histórias, mas e se fosse para adaptar um musical para o Brasil, tem algum que você gostaria de trazer e adaptar se pudesse?

Vitor: Eu não tenho um específico (além do que não posso contar ainda, rs), mas confesso que me divertiria muito adaptando um grande musical da Broadway para o nosso país, usando a nossa cultura... Vocês já imaginaram como seria incrível a versão de “A Pequena Sereia” contada pela Iara e seu amiguinho o boto cor-de-rosa? Rs!

 

Backstage Musical: Na sua carreira, qual seu maior sonho?

Vitor: Meu maior sonho na verdade é ter uma carreira construída a partir de sonhos realizados.

 

Backstage Musical: Tem mais projetos vindo esse ano? Tem alguma novidade que pode adiantar pro Backstage?

Vitor: Tem sim, senhor! (Poucos entenderão, mas já dei uma dica e tanto! Rs.) Brincadeiras à parte, sim, eu tenho mais projetos para esse ano como ator e como autor também. Como autor eu já posso adiantar o musical “Comitiva Esperança”, que assim como “Cargas D’Água” também aborda o universo caipira, e também uma releitura nada óbvia de uma obra mundialmente conhecida que venho preparando com muito carinho. Como ator eu não posso adiantar nada pois os projetos ainda não permitem, rs.

 

 

 

Please reload