A Genética Musical dos Sargentellis

18/11/2015

Não há nada de muito novo em ver filhos se inspirando profissionalmente nos pais. No meio artístico então, não nos faltam exemplos de filhos seguindo a carreira artística dos pais: Maria Rita, filha de Elis Regina; Maria Fernanda Torres, filha de Fernanda Montenegro; Bibi Ferreira, filha de Procópio Ferreira e tantos outros exemplos. No entanto, um fato curioso chamou atenção daqueles que acompanham as notícias do Teatro Musical Brasileiro: um (sobre) nome em particular no elenco do musical “Nuvem de Lágrimas” despertou a curiosidades dos fãs de musicais: Roberto Sargentelli.

 

Sim, o ator que integra o musical inspirado no romance de Jane Austen ‘Orgulho e Preconceito’, é parente do já conhecido Beto Sargentelli, mais precisamente, pai do ator que atualmente vive Pablo em ‘Mudança de Hábito’. O Backs conversou com pai e filho, buscando entender essa relação artística do filho que inspirou o pai a adentrar de vez no mundo dos grandes musicais.

 

A música sempre esteve dentro da família Sargentelli. Roberto conta que o pai tocava gaita e convivia com familiares em rodas musicais desde muito novo e já na época da escola primária, foi o matriculado em um cursinho de violão. O ator conta ainda que na escola tinha aulas de artes, aonde se divertia junto dos colega em improvisos teatrais. O gosto pela música foi crescendo e na adolescência, Roberto tocava em festas, bares e pequenos shows. No entanto, em termos profissionais, Roberto seguiu uma carreira mais ‘convencional’, com trabalhos na área administrativa e por fim, veio a se tornar fotógrafo, começando com cobertura de eventos e festas, passando pelo fotojornalismo, fotografando shows musicais até montar seu estúdio especializado em fazer books de atores e modelos entre outras coisas.

 

A fotografia foi durante anos a grande válvula de escape de Roberto e expressão do seu talento artístico, mas a música nunca tinha deixado sua casa pois vez ou outra se juntava com o sogro e o cunhado em rodas musicais e foi nessa atmosfera que Beto cresceu. O ator conta que estava cercado por uma família de amantes das artes e que com 12 anos já tocava violão e cantarolava algumas músicas. Aos 14, Beto iniciava aulas de teatro com intuito de perder a timidez por incentivo da mãe, mas acabou pegando gosto pela atuação, envolvendo-se em diversos projetos, participando de diversas companhias de teatro, grupos de estudos, oficinas e em todo trabalho, tinha a chance de unir a música ao teatro, até que foi confrontado por um amigo sobre a possibilidade de unir ambas as artes audicionando para alguma produção em Teatro Musical. “Foi aí que me dei conta" , revela.

Em 'Mudança da Hábito', Beto vive Pablo, um dos capangas do vilão Curtis Jackson.

 

Com o mesmo amor pelas artes e trajetórias profissionais bem diferentes, Beto conta que sempre viu no pai uma grande admiração “me inspiro muito em meu pai como artista e ser humano, sou fã incondicional”. No momento derradeiro de sua escolha profissional pelo exame de vestibular, o ator se aconselhou com o pai sobre sua dúvida entre optar pela carreira artística ou por um ‘plano B’: ”Não adie o seu sonho como adiei o meu”, foi a resposta do pai, que o incentivou a ser sempre o melhor em tudo que faz. Porém chegou o momento em que as coisas inverteram um pouco: Apaixonado por musicais desde a época que assistia clássicos com Gene Kelly na TV, Roberto diz que foi encorajado pelo filho a apostar nos musicais. “Foi uma troca de influências”, conta Sargentelli Pai que com a insistência do filho resolveu não ignorar os convites das agências de atores que costuma a entregar material de trabalho de artistas e considerar as audições para Teatro Musical como uma possibilidade de fazer o que sempre amou. O resultado veio logo na terceira audição.

 

Para quem ainda não sabe, o musical é um musical original nacional com texto de Anna Toledo baseado no clássico literário ‘Orgulho e Preconceito’, que usa das canções da dupla Chitãozinho e Xororó para contar a história de dois jovens com histórias de vida tão diferentes. Sob direção de Luciano Andrey e Tânia Nardini, ‘Nuvem’ faz um grande resgate a cultura brasileira trazendo enfoque no homem do campo, ao ‘caipira’. “O nosso homem do campo mantém uma relação de amor e respeito com a terra e natureza, seus costumes e cultura, permanecendo no campo com seu trabalho e bravura transformando-se nos mais verdadeiros heróis sem artifícios, sendo a humildade a sua capa, simplicidade seu superpoder e munidos de toda sinceridade que um sertanejo tem.”, comenta Roberto revelando que muito se identifica com a obra e que ficou muito feliz com o telefonema do diretor o convidando para o elenco. No musical, Roberto é o Seu Juca, um dos caipiras da trama que além de cantar/atuar, também toca violão.

Roberto em cena de 'Nuvem de Lágrimas', musical que evoca a cultura brasileira através da música sertaneja.

 

Beto conta que não havia musical melhor para o pai estrear, pois a música sertaneja fez parte da sua família e por isso insistiu tanto para que o pai não deixasse de audicionar para ‘Nuvem de Lágrimas’. Além disso, o ator não esconde a empolgação e garante que será um “filho-coruja”, tentando sempre que possível assistir ao pai em ‘Nuvem’. Já Roberto, comenta que diante do filho tenta não ser o grande “pai-coruja”, sempre trazendo feedbacks  para o filho com intuito de ajuda-lo a melhorar sua técnica, mas confessa que na plateia, as vezes não consegue se conter e se emociona ao ver o filho nos palcos.

 

Beto é o veterano na história com musicais como “Mamma Mia!”, “Meu Amigo Charlie Brown”, “A Família Addams”, “Shrek, O Musical”, “Jesus Cristo Super Star” e “O Rei Leão” no currículo e pode compartilhar com o pai dicas preciosas para as audições: "Passei todas as dicas de como funcionavam as audições, os testes de canto, dança e interpretação e também sobre levar gravador, partitura certa, inalador e tudo mais”, relata. Pai e filho revelam que costumam ensaiar juntos, dando sempre dicas um ao outro de movimentação, se ouvindo, compartilhando opiniões sobre gestos e interpretação.

 

Além da ajuda do filho, Roberto também comenta que foi muito bem recebido pelo elenco e direção do musical em sua grande estreia. O ator comenta que o contato com um elenco jovem e talentoso tem o impulsionado a continuar estudando e se aperfeiçoando, acreditando que com as grandes produções que temos hoje no Brasil, sempre haverá espaço para atores com o seu perfil. Roberto comenta que a troca entre o elenco contribuiu muito para sua formação e despertando mais interesse em continuar por esse caminho. Curiosamente, o pai comenta que tem recebido um carinho especial por parte de pessoas do elenco, equipe criativa e técnica que já trabalharam com Beto e isso tem o deixado muito feliz.

 

Se tem uma coisa que não resta dúvidas é que o amor pela música, teatro e pelas artes é compartilhado por pai e filho, que corre do sangue de Beto e Roberto, como se fosse algo genético. Beto diz que está orgulhoso desse momento da vida do pai e confessa que adoraria chegar no momento em que pudesse estar junto do pai em algum musical e quem sabe, até mesmo contracenar! Enquanto esse momento não chega, você pode conferir o talento da família de perto e assim, ver Sargentelli Pai em ‘Nuvem de Lágrimas’ de quinta a domingo no Teatro Bradesco e, Sargentelli Filho em ‘Mudança da Hábito’ no Teatro Renault, de quarta a domingo. Sucesso sempre a família!

 

Please reload