Crítica - Jersey Boys

1/7/2014

Por Vinícius Munhoz

 

Na semana passada a nata do teatro musical brasileiro reuniu-se no Espaço Itaú de Cinema do Shopping Frei Caneca para conferir a pré-estréia do musical Jersey Boys – Em Busca da Fama. A minha primeira crítica vai ao subtítulo, totalmente desnecessário para um nome tão imponente como é deste musical. Basta Jersey Boys para chamar o público ao qual o filme é destinado. Chatices a parte, os amantes de musical vão adorar a montagem realizada sob a direção de Clint Eastwood.

 

O filme que ambienta a década de 50 merece atenção à fotografia e produção de cenários da época (Hollywood é muito boa nisso, todos sabem), além de uma história baseada em fatos reais, o que faz com que os mais velhos ficarem emocionados e cantarem hits como “Sherry”, “My Eyes Adored You” e a inesquecível canção “I Can’t Take My Eyes Off You”.

 

Outro interessante ponto é a narração que os personagens tomam, tirando eles do período presente e levando o espectador ao passado (ou futuro). Isso é extremamente presente no espetáculo da Broadway e está ai a dificuldade em levar esse show para a telona, como fazer isso funcionar sem blackouts ou saída e entrada de atores em cena.

 

Assim como todo filme musical (tirando Les Miserábles), Jersey Boys não consegue se desligar dos palcos. Você tem a nítida sensação que está vendo uma adaptação de um produto que não foi, originalmente, um filme. Esse aspecto não atrapalha o andamento do filme, porém faz com que não haja uma entrega total ao filme. O que ajuda (e muito) a fazer com que o filme torne-se muito interessante é a voz e atuação impecável do quarteto de Jersey interpretado pelos atores John Lloyd Young, Vincent Piazza, Erich Bergen e Michael Lomenda. O ator Christopher Walken, que interpreta DeCarlo é o único que deixa a desejar, não por seu processo no filme, mas pela sua carreira e resultado final apresentado.

 

De qualquer modo, é um filme em que você consegue encarar a fama de um modo um tanto quanto realista, logo, vá aos cinemas e deixe levar-se pelos hits, piadas e realidade que os “Downtown Boys” nos mostra.

 

 

Please reload